31 março 2008

Fidel Castro

A história me absolverá!

Fidel Castro para alguns foi herói de uma revolução social e a garantia de repartição eqüitativa da riqueza no país de Cuba, devido a sua política socialista.Mas para outros, no entanto, Castro foi um líder de regime ditatorial baseado numa política de partido único.
Mas por que esses pontos de vista tão diferentes?
Alguns dizem que ele foi um herói, outros pensam que foi um péssimo governador...
Primeiro, vamos lembrar o que é socialismo e o que é ditadura.
Socialismo é um sistema político caracterizado pela apropriação dos meios de produção pela coletividade, algumas das suas características principais são a abolição de propriedade privada, a não existência de classes sociais e a idéia central seria de eliminar completamente as desigualdades sociais.
Ditadura é o regime político autoritário em que os poderes legislativo, executivo e judiciário estão nas mãos de uma única pessoa ou grupo de pessoas, que exercem estes poderes de maneira absoluta sobre o povo e tem como característica a falta de liberdade.

Fidel Castro, junto com o famoso Ernesto Che Guevara comandou um golpe de estado em 1 de Janeiro de 1959 contra o regime político de Fugêncio Batista e assim tomou o poder.Alguma de suas reformas no governo foram o fechamento do mercado interno, a reforma agrária de Cuba, a nacionalização das empresas estrangeiras, a criação da Campanha de Alfabetização, a eliminação dos sistemas de saúde privada entre muitos outros.Logo após o golpe os Estados Unidos estabeleceu um bloqueio econômico contra Cuba, e se esforçou para que outros países aderissem ao bloqueio, pois os seus interesses comerciais foram barrados com o golpe de estado.

Desde então Fidel Castro governou o país até 1 de agosto de 2006 quando delegou o poder em caráter provisório por conta de uma doença intestinal grave, passando as suas funções de comandante supremo das Forças Armadas, secretário-geral do Partido Comunista de Cuba e de presidente do Conselho de Estado (cargo máximo da República Cubana) para seu irmão Raúl Castro, Ministro da Defesa.
O poder passou em definitivo para as mãos de seu irmão Raul Castro após Fidel Castro decidir retirar-se do poder em 24 de fevereiro de 2008.Mesmo com a resignação de Castro, o presidente americano, George Bush, não pretende retirar as sanções americanas impostas a Cuba. Fidel Castro diz que continuará escrevendo sua coluna no jornal cubano e não pode continuar no poder por insuficiência em sua saúde. Ele permaneceu como membro do parlamento após a sua eleição como um dos 31 membros do Conselho de Estado. Também manterá o cargo de primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba.

Fidel sempre foi criticado pelo seu autoritarismo e pelo seu governo não tão completamente socialista, com a falta de igualdade plena para todos, o que deveria ser essencial e básico, pois ele instalou uma ditadura militar no país e junto com ela vieram todas as suas características próprias. Mas em compensação muitas pessoas o apóiam, pois ele tirou do poder um péssimo regime político e fez muitas melhorias sociais dentro do país, que chega a ser referência mundial.

O importante é saber analisar a história sem preconceitos e sem julgamentos com a nossa própria cultura, talvez o que julgamos errado pode parecer certo, ou pode ter dado certo.

Um comentário:

carol disse...

O interessante é que a mídia faz com que as pessoas enxerguem o caso político de Cuba como se fosse um mal exemplo. E aí temos nas novas gerações esse pensamento anti-marxista enraigado.... não dá pra negar, se pudesse, os EUA tomariam Cuba novamente como se fosse seu quintal.
Felizmente houve uma quebra na história, onde a população mundial assistiu um minúsculo país dar uma "rasteira" nos yankees...
Agora, sobre hoje, ninguém sabe o que se passa direito em Cuba, Che deve estar se revirando no caixão!
Viva Che!
Beijão Má